01 novembro 2013

Concurseiros de Primeira Viagem

Dicas para concurseiros de primeira viagem
De acordo com a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (ANPAC), o crescimento deste mercado é da ordem de 40% ao ano. Isso significa que cada vez mais há novatos entre os concurseiros. 
E, quem está debutando nos estudos para concursos, muitas vezes, não sabe nem por onde começar a preparação, o que aumenta as chances de apostar em táticas inadequadas de estudo.
Segundo o Professor Alessandro Sanches, professor da rede LFG. “Ao longo dos mais de 10 anos, o qual prepara os alunos para os diversos concursos públicos em nosso país, ele vem percebendo posturas acertadas e outras nem tanto na conduta de quem resolve voltar os seus estudos para a preparação para as seleções públicas”.
Confira as 10 dicas para encurtar o caminho até o êxito elaborado pelo especialista.
1 - Escolha da carreira
Primeiro passo é escolher a carreira. Tenha em mente também o cargo que você deseja. De acordo com Sanchez o ideal é fugir de escolhas genéricas. “É mais do que escolher por carreiras policiais ou trabalhistas, por exemplo, mas apontar o cargo específico”, diz Sanchez. 
Ou seja, além escolher estudar para os editais do TRT, escolha, por exemplo, prestar os concursos para analista. Segundo o professor da LFG, a escolha pode ser genérica dentro de limites claros. “Se por um acaso esse candidato der uma fugidinha para outro edital que seja o de técnico do TRT, mas jamais o de investigador de polícia porque o foco é determinante em concursos”, explica. 
2 - Tenha o hábito de manter-se bem informados
Várias carreiras públicas exigem que o candidato esteja a par dos acontecimentos atuais. Verifique em editais anteriores do concurso do qual vai participar se atualidades é uma disciplina cobrada.
“É interessante focar nos acontecimentos do ano anterior e do vigente e passar a visitar dois portais de notícias todos os dias”, diz Sanchez. Encontrou uma notícia nacional ou internacional importante e que está reverberando no momento? Faça um fichamento. Guias de atualidades também são bastante úteis para os concurseiros.
3 - Faça um cronograma de estudos
Tendo o gênero e a espécie do concurso em mente, prepare o seu cronograma de estudos. Para isso, confira o número de disciplinas cobradas no último edital.
“Minha sugestão é que o candidato escolha duas disciplinas de estudo por dia, separando 2 horas na parte da manhã e duas horas na parte da noite, fora o período de aulas”, indica Sanchez. 
Comece o estudo sempre pela matéria com a qual tem menos afinidade e só depois passe para a disciplina de que mais gosta. “No momento de maior cansaço, essa atitude trará motivação e jogará em seu favor”, explica.
4- Fuja de expectativas negativas sobre as disciplinas
Evite pensamentos do tipo: “odeio tal disciplina, não consigo entender” ou “nunca vou conseguir estudar aquela matéria”. “Isso é péssimo e não existe matéria que uma pessoa não possa aprender”, lembra Sanchez.
Em vez disso pense que o estudo destas disciplinas trará grande benção de conquistar a aprovação. “Programe o seu cérebro de modo positivo, pois isso sem dúvidas trará incomensuráveis benefícios”, diz Sanchez
5 - Estabeleça mecanismos de controle de ansiedade
Esforço para controlar a ansiedade é diário e, segundo Sanchez, falhar nesta tarefa é um dos principais motivos que levam concurseiros à desistência. Aposte no diálogo com familiares, pois muitas vezes há uma carga de pressão pesada em casa.
“Estude com constância até a abertura do edital, separando momentos de lazer, recreação e seguindo uma vida em que as provações não sejam exacerbadas”, diz Sanchez. Combinar estudo com uma vida social e familiar equilibradas vai ajudar o concurseiro a manter-se motivado.
O imediatismo é principal vilão nesse caso. O caminho até a aprovação pede persistência e constância. Ficar pulando de edital em edital, preparando-se nos meses finais até a prova não ajuda em nada.
6 - Não se disperse navegando na internet
“Esse é mais um capítulo do tão necessário foco”, diz Sanchez. Na rede, o concurseiro encontra boas informações em chats, blogs, sites e mídias sociais, mas pode perder muito tempo de pesquisa.
“Tem muita coisa boa, mas há o risco de ficar passeando em fóruns, lendo elucubrações acerca do edital, encontra fases desanimadoras. Meu conselho é: menos pesquisa e mais estudo”, diz o professor.
7- Resolva provas anteriores
Elas vão dar ao concurseiro o peso de cada disciplina na seleção, além de deixa-lo familiarizado com estilo da banca responsável pela seleção. “As provas anteriores são importante para um mapeamento de quais são as matérias mais importantes a se estudar, pois são essas que devem ficar em primeiro plano”, diz Sanchez.
Mas, o concurseiro também deve estar preparado para possíveis mudanças entre um edital e outro. “Existem diferenças sobre a complexidade da prova e uma diminuição na pontuação entre um edital e outro não deve ser suficiente para atrapalhar os seus objetivos”, diz Sanchez.
8-  Aulas
Frequentar cursos específicos para concurseiros é, de acordo com Sanchez, um bom corta caminho já que os professores dão o caminho das pedras aos candidatos. Por isso tire o melhor que a aula pode oferecer.
“Sempre é válido fazer anotações acerca não somente do conteúdo, mas das dicas dos professores no que concerne a estrutura da prova, edital, banca e, logicamente, da modulação de importância das diversas matérias a se estudar”, diz Sanchez.
9 -Tenha critério na escolha do material de estudos
Não saia comprando livros e mais livros. “Valerá a pena fazer a aquisição do livro se ele puder se encaixar na sua agenda e cronograma semanal de estudos”, diz o professor.
Um monte de livros empilhados vão aumentar o curso da preparação sem ajudar muito na preparação, de acordo com Sanchez. Aposte em material apostilado e nas indicações dos professores. Na internet existe vasto conteúdo preparatório disponível gratuitamente. 
10 - Coragem e disciplina
“Prefiro a palavra coragem, pois os disciplinados são aqueles que mantiverem a coragem de estudar não para passar, mas até passar, por longa data se for necessário”, diz Sanchez.

Não importa o tempo que levará até a sonhada aprovação, o concurseiro deve seguir estudando aconteça o que acontecer. Para os momentos em que a coragem faltar, o professor dá um conselho: “feche os olhos e reflita para ouvir uma voz interna dizer: tente mais um pouco”.
Por: Camila Pati - http://exame.abril.com.br